domingo, 5 de março de 2017

Novos tipos de família. Manuel.

          É muito evidente que o conceito de família tem mudado muito nos últimos tempos a par e passo da evolução na mentalidade das pessoas. E também é verdade que as leis nos diferentes países sempre têm ido a reboque destas mudanças e é a pressão social dos populares  a que tem feito possível legalizar estas situações. E assim depois da família tradicional apareceram as uniões de facto, as famílias monoparentais, os matrimónios entre pessoas do mesmo sexo...
          E já agora e desde o outro lado do charco, designadamente desde o Brasil, chegam notícias de um novo tipo de família; união poliafetiva de três pessoas. Ficará a coisa por aqui ou continuará a evoluir?

6 comentários:

Susana Abrantes Pereira disse...

Eu estou convencida de que continuará a evoluir, ainda que possa cair em situações um tanto estranhas como a das pessoas que casam consigo próprias - situação que parece estar na moda nos países anglófonos.

Gostei muito da sua reflexão, Manuel, como sempre muito meditada e muito bem escrita. E o artigo parece-me curioso, porque as novelas brasileiras costumam ir a reboque do que acontece na sociedade e se já chegou aí... cada dia será mais normal, suponho.

Diego disse...

Nossa Senhora de Fátima!! união poliafetiva de três pessoas?? Então, é que o amor, agora, é coisa de três?? Então......?? "Antão era pastor e guardava ovelhas......e tinha um cão de gado sem orelhas".
Já agora, ENTÃO será que uma das três pessoas estará, em cada ocasião, a "SEGURAR A VELA"?? Terão de se revedar para segurar a vela??
Quais são as medidas da cama que precisarão estas uniões poliafetivas?? Dois metros?? ou terá de se deitar sempre alguém no chão?? Terão de tirar à sorte, às noites, quem vai dormir sozinho??

Manuel Oncins disse...

Gostei da reflexão e de conhecer a expressão "segurar a vela". Será que esta pode ser sinónimo de "ser pau de cabuleira"?E já agora te digo que julgo teres mudado uma letra. Será revezar?

Bom dia e tirem-me a dúvida.

Manuel Oncins disse...

Desculpem, estão a ver? Eu também erro com a mudança das letras. É "ser pau de cabeleira".Obrigado.

Diego disse...

Certo, certo!! É revezar. Muito obrigado, Manuel!! Sem as tuas acertadas correções é impossível progredir. Agradeço-as imenso.

Revezar-se: alternarse (espanhol), turnarse (espanhol).

Susana Abrantes Pereira disse...

Ai meu Deus, o que vai por aqui!!!!

O "pau de cabeleira" é aquele que "segura a vela", Manuel, um é sujeito o outro a ação.

Diego, Diego,... Que dúvidas existenciais!